3 eventos ao vivo
Logo do SPFW
Foto: terra

SPFW

Sessão de fotos e telões ganham a cena no último dia da SPFW

Lino Villaventura, Ratier e Ellus roubaram a cena com apresentações inusitadas e uso de tecnologia

30 abr 2016
11h43
atualizado às 12h05
  • separator
  • comentários

O último dia da 41ª edição da São Paulo Fashion Week reservou belas surpresas ao público feitas por três grifes. O primeiro foi Lino Villaventura, que montou um estúdio fotográfico em plena passarela. Já a Ratier, com sua roupa casual e urbana, colocou telão com efeito de animação gráfica para acompanhar os passos dos modelos. E para fechar o evento, a Ellus também lançou mão da tecnologia, projetando em um telão cenas de ondas e praias do Havaí, com Cauã Reymond na plateia.

Desfilaram ainda o potiguar Wagner Kallieno, a mineira Gig Couture, especializada em tricô de alta perfomance, e a paulista Cotton Project, que tem como foco o conforto para roupas urbanas.

A SPFW iniciou nesta edição uma mudança de rumo em relação às plataformas de venda e entrega da mercadoria. O conceito See Now, Buy Now (Veja Agora, Compre Agora) deve estar implementado em 2017, com mudança nas datas de apresentação. Algumas grifes já adotaram a ação e colocaram as peças desfiladas imediatamente à venda, como a ViX, a Ellus 2nd Floor, Wagner Kalienno, além da coleção de Karl Lagerfeld para a Riachuelo - as araras estavam à disposição do público assim que acabou o desfile.

Confira as propostas das seis grifes apresentadas na sexta-feira (29):

Lino Villaventura trocou o desfile tradicional por uma sessão de fotos, que será transformada em exposição
Lino Villaventura trocou o desfile tradicional por uma sessão de fotos, que será transformada em exposição
Foto: Francisco Cepeda / AgNews

Sessão de fotos

Lino Villaventura chamou o fotógrafo Miro para clicar seus modelos em plena passarela, à vista do público. Alguns vinham com o corpo todo, inclusive a cabeça, envolto em faixas com inscrições feitas à mão pelo próprio Lino. Eram frases, pensamentos e orações. Por cima, os vestidos exuberantes do estilista. O resultado das imagens, que apareciam num telão ao fundo, será transformado em exposição.

O estilista Wagner Kallieno trouxe transparências e blazers para seu verão 2017
O estilista Wagner Kallieno trouxe transparências e blazers para seu verão 2017
Foto: Francisco Cepeda / AgNews

Anos 80

Wagner Kallieno se inspirou nos anos 80 e no filme Flash Dance para compor seu desfile, levando às passarelas blazers alongados sobre peças longas ou curtas em transparência brilhante. A sensualidade faz parte da carreira do jovem estilista potiguar, que mostrou também looks azulados e brilhantes, como o vestido longo, de saia plissada, body por baixo e blazer branco por cima. O universo masculino apareceu em camisas desconstruídas e usadas de forma assimétrica, como a gola sobre um dos ombros. A marca adotou o sistema "See Now, Buy Now" e todas as peças desfiladas estarão à venda no showroom Contemporâneo, em São Paulo para compra imediata.

A grife mineira Gig, que faz tricô de alta perfomance, trouxe vestidos mais leves e soltos para o seu verão 2017
A grife mineira Gig, que faz tricô de alta perfomance, trouxe vestidos mais leves e soltos para o seu verão 2017
Foto: Francisco Cepeda / AgNews

Movimento

A estamparia é o forte da grife mineira Gig Couture, de tricô de alta performance. Dessa vez, a inspiração veio da artista plástica francesa Sonia Delaunay. A coleção para o verão 2017 surgiu mais fluída e leve que a do inverno, com vestidos e casacos soltos, proporcionando balanço e movimento delicado aos looks. Plissados, babados e rendas também compõem as imagens criadas por Gina Guerra, que aposta ainda em fios com brilhos e, como sempre, no patchwork de estampas e texturas. Como alguns vestidos levam oito horas para serem feitos, a dona da marca afirma que não é possível vender as peças imediatamente após o desfile. "Mas vamos oferecer ao cliente de varejo a possibilidade de ver de perto a coleção e caso queira fazer seu pedido, a peça será entregue junto com as de atacado", disse Gina.

Ratier manteve o DNA da marca com roupas urbanas e jovens, agora mais limpas e com inserção de cores
Ratier manteve o DNA da marca com roupas urbanas e jovens, agora mais limpas e com inserção de cores
Foto: Francisco Cepeda / AgNews

Animação gráfica

A Ratier montou um telão de 180 m² com lâmpadas de LED, que se estendia por todo comprimento da passarela, que tinha 25 mestros. Quando os modelos passavam, uma animação gráfica com efeitos geométricos, acompanhava o andar de cada um, sob o controle de Muti Randolph, um dos pioneiros em computação gráfica no Brasil.

Renato Ratier se inspirou na escola Bauhaus e no movimento modernista para criar looks retos, limpos com sobreposições sutis que traziam cortes geométricos. Preto e chumbo são suas cores clássicas. Para esse desfile, Ratier inseriu tons quentes, como mostarda, laranja, terrosos. “Coloquei cores, mas sem perder a identidade da marca, como conforto e sobreposições, para homens e para mulheres”.

A estreante Cotton Project tem uma roupa confortável e urbana para homens, mas que caiu no gosto da garotas; na foto look que lembra pijama, tendência em alta
A estreante Cotton Project tem uma roupa confortável e urbana para homens, mas que caiu no gosto da garotas; na foto look que lembra pijama, tendência em alta
Foto: Francisco Cepeda / AgNews

Pijama e conforto

Com quatro anos de vida, a Cotton Project estreou na passarela mostrando o que sabe fazer melhor: moda confortável e despretensiosa. É moda masculina, mas as mulheres também querem usar. Tanto que as meninas também desfilaram suas jaquetas bombers, carro-chefe da marca. Para a passarela, além de algodão, Rafael Varandas, dono da marca, e o estilista Acácio Mendes apostaram também em seda e jacquard. Destaque para o look estilo pijama, uma das tendências propostas nas passarelas.

A Ellus se inspirou no Havaí e fez releitura dos trajes dos surfistas, como neste look inspirado no macacão do long john usado por Ari Westphal
A Ellus se inspirou no Havaí e fez releitura dos trajes dos surfistas, como neste look inspirado no macacão do long john usado por Ari Westphal
Foto: Francisco Cepeda / AgNews

Surfe e Havaí

Com o tema Digital Wave, a Ellus armou um telão gigante, onde projetava imagens do Havaí, referência da coleção, com suas ondas gigantes, praias e palmeiras, em preto e branco. Na plateia, Cauã Reymond. A marca, que tem na direção de criação Adriana Bozon e no estilo Rodolfo Souza, trabalhou as roupas da cultura havaiana usando toda sua expertise em jeans, couro e materiais tecnológicos. A jaqueta perfecto foi desconstruída em um colete mais curto, em peças prateadas ou bordadas; os macacões de surfistas se transformaram em tops.

(Rosângela Espinossi)

Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade