0

Protesto com Bündchen e seios à vista marcam semana de Paris

Desfiles na capital francesa ainda trouxeram transparências, decotes dentro e fora da passarela, como nos looks de Kim Kardashian

3 out 2014
17h34
  • separator
  • 0
  • comentários

Terminou a maratona dos desfiles para o verão 2015 no Hemisfério Norte na quarta-feira (1º), em Paris, com Gisele Bündchen decotada na apresentação/protesto da Chanel, usando uma botinha tipo polaina de gosto tão duvidoso quanto as pochetes que Karl Lagerfeld colocou nas passarelas de alta-costura no começo do ano.  Mas se teve manifestação dentro da passarela, teve também fora, por conta de declarações de Stella McCartney logo após seu desfile. No backstage, a filha do ex-beatle Paul disse: “Força por conta própria em uma mulher é bastante agressivo e não muito atraente o tempo todo. Por isso, esta coleção é realmente para celebrar o lado gentil”. Uma das editoras da revista Vagenda reagiu e postou no Twitter que a observação era, no mínimo, “estranha”. E alfinetou: “Imagino que as mulheres que têm dinheiro para comprar suas roupas não são nada tímidas”.

Siga Terra Estilo no Twitter

Por falar em “nada tímida”, quem deu show sobre isso foi a sempre decotada Kim Kardashian, com parte de seus seios e de seu corpo à mostra. Sua irmã mais nova, que está virando sensação nas passarelas Kendall Jenner, quase deixou os seis à vista no desfile da Balmain. E em termos de tendências, parece que Kim está fazendo escola. Não faltam decotes e mais decotes. E também transparências e mais transparências, numa vibe de conforto, paz e amor (apesar dos protestos citados acima) anos 70, que está tomando conta da moda.

E por falar em tendências, entram também looks pijamas, babadinhos, tipo camisolinha (mas para ficar mais fina, podemos falar tipo jabôs dos smoking) e muita roupa esvoaçante, que parecem saídas dos tempos flower-power. Vem ver o que logo logo as lojas de fast fashion vão colocar nas araras, se já não colocaram.

Gisele, Gisele, Gisele, polainas e protestos

Karl Lagerfeld construiu uma típica rua de Paris sob o teto de vidro do Grand Palais. Por ela, as modelos desfilaram passeando, conversando e mostrando vários tipos de looks, indo de colegiais a executivas, de ternos a saias curtas. Aí, no meio, entra Gisele Bündchen, com um cardigã listrado em bege e branco, body por baixo e botas com a mesma padronagem meio caidinhas, lembrando polainas. O mesmo look em outras tonalidades foi repetido por outras modelos.  Vai ser moda, pode ter certeza, mas digamos que as botinhas não são assim muito elegantes. Só que Chanel é Chanel.

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Foto: Pascal Le Segretain/Getty Images

No final, ao contrário da tradicional fila das modelos, elas entraram com cartazes de protesto pelos direitos femininos, com direito a palavras de ordem gritadas por Cara Delevingne no megafone. Depois das pochetes da alta-costura e do supermercado no prêt-à-porter, Karl Lagerfeld colocou a mulherada para protestar, em looks que também remetem aos anos 1970. E vejam que as botas são baixas, pé no chão, outra tendência.

Foto: Getty Images

Foto: Pascal Le Segretain/Getty Images

 

Protesto fora das passarelas

Se Karl Lagerfeld colocou mulheres fortes para protestar na rua (qual mulher não gostaria de participar de protestos vestida de Chanel e em Paris?), Stella McCartney foi alvo de críticas por suas declarações pós-desfile: “Força por conta própria em uma mulher é bastante agressivo e não muito atraente o tempo todo. Por isso, esta coleção é realmente para celebrar o lado gentil.” Para quê? Uma avalanche de críticas foi publicada nas redes sociais e na imprensa.

Ellie Levenson, autora do guia The Noughtie Girl’s Guide to Feminism, disse ao jornal The Times que a tentativa da estilista de fazer as mulheres parecerem mais vulneráveis representa um passo para trás na história do movimento: “É particularmente irritante quando uma mulher que se beneficiou do feminismo e do fato de ser forte e poderosa tenta, em seguida, puxar o tapete de outras mulheres.” E a escritora Sasha Wilkins, criadora do blog de estilo de vida LibertyLondonGirl, por sua vez, twittou: “Acho que você pode ir longe fingindo ser uma borboleta frágil nos negócios quando já tem uma família rica e todo o poder”. A referência à borboleta foi a looks como o desfilado por Cara Delevingne com vestido preto e uma espécie de asa fluida na frente como enfeite. E agora, Stella?

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Foto: Pascal Le Segretain/Getty Images

 

Sem sutiã, a bandeira nada “feminista” de Kim Kardashian

Se as feministas dos anos 60 queimaram sutiãs em praça pública, Kim Kardashian levantou a bandeira das “sem-sutiã” faz tempo. Claro que não é para protestar por direitos das mulheres, mas para exibir um dos atributos que os homens mais gostam de ver: os seios ou parte deles. Quando Kim usa o acessório, deixa outras partes do corpo à vista, mesmo carregando a filha North no colo. E foi seguida por outras famosas, como Selena Gomez e Miranda Kerr, presentes nos desfiles e em festas.

Kim

Foto: The Grosby Group

Foto: The Grosby Group

Foto: The Grosby Group

Foto: The Grosby Group

Foto: Getty Images

Foto: Pascal Le Segretain/Getty Images

Foto: The Grosby Group

Foto: The Grosby Group

 

Selena

Foto: The Grosby Group

Foto: The Grosby Group

Miranda

Foto: The Grosby Group

Foto: The Grosby Group

Seios também na passarela

Se Kim faz escola, os estilistas também estão ensinando que decote e seio à mostra estão mais em alta do que nunca. Ah, e a irmã dela mais nova, Kendall Jenner, quase mostrou os seus na passarela da Balmain, com vestido feito de tiras pretas e vazados transparentes. Tem coragem de usar? Vem ver como são as propostas dos criadores.

Balmain – Kendall Jenner

Foto: Getty Images

 

Foto: AFP
 

Jean Paul Gaultier

Foto: AFP

Foto: AFP

Alexis Mabille

Foto: AFP

Foto: AFP

Foto: AFP

Valentino

Foto: AFP

Foto: AFP

Alexander McQueen

 

Foto: AFP

Foto: AFP
Foto: Getty Images

Foto: AFP

 

 

Para sonhar… com os anos 70

Podem apostar na tendência dos anos 70, que traz o estilo boho, flower-power de novo. Assim, estiveram nas passarelas vestidos longos, fluidos, pantalonas, babadinhos e muito look que lembra pijamas. E listras grandes coloridas.

Dries Van Noten colocou suas modelos como em Sonhos de Uma Noite de Verão , numa espécie de passarela ajardinada, com a liberdade de movimentos e atitude herdadas dos hippies.  Valentino se inspirou nas viagens de universitários do século 19. O mochilão daquela época foi traduzido por tecidos leves e fluidos, que também lembram os anos 70 do século 20. Nesta mistura, muitos looks que remetem a pijamas e camisolas, com babadinhos (Miu Miu, McQueen) ou com a vontade apenas de ser confortável. Rendas e tramas estão também presentes (Givenchy e Louis Vuitton), sempre com uma pegadinha setentinha.

Alexander McQueen

Foto: AFP

Foto: AFP

Miu Miu

Foto: AFP

Foto: AFP

Rochas

Foto: AFP
Foto: AFP

Foto: AFP

Dries van Noten

Foto: AFP
Foto: AFP

Foto: AFP

Balmain

Foto: AFP

Foto: AFP

Valentino

Foto: AFP

Foto: AFP

Hussein Chalayan

Foto: AFP

Foto: AFP

Dior

Foto: AFP

Foto: AFP

Givenchy

Foto: Getty Images

Foto: AFP

Louis Vuitton

Foto: Getty Images

Foto: Pascal Le Segretain/Getty Images

E um selfie para terminar…

Foto: AFP

Foto: AFP

Izabel Goulart quebrou o protocolo e tirou uma foto sua na passarela de Jean Paul Gaultier. Essa moda também deve pegar.

Qual modelo você seria? Faça o teste e descubra Qual modelo você seria? Faça o teste e descubra

Fonte: Ponto a Ponto Ideias Ponto a Ponto Ideias
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade