PUBLICIDADE

Após estudos e filho, brasileira é destaque em temporada de moda

Aos 23 anos, a mineira Amanda Wellsh é new face de destaque nas passarelas

2 out 2013 18h35
| atualizado às 18h48
ver comentários
Publicidade

Começar a carreira depois dos 20 anos é algo pouco comum na profissão de modelo, mas parece ser a receita do sucesso de Amanda Wellsh, a brasileira que desponta como grande revelação da temporada internacional de desfiles, que se encerra nesta quarta-feira (02), em Paris.

Nascida em Patos de Minas, Minas Gerais, a morena de olhos verdes e 1,79 m de altura esperou terminar os estudos e teve um filho antes de investir na carreira internacional. Agora, aos 23 anos, Amanda acaba de ser apontada pela Vogue Itália como uma das new faces da temporada, após ser convocada como modelo exclusiva da Gucci na semana de moda de Milão, abrindo e fechando o desfile da grife. Atrás dela, vieram tops como Anja Rubik, Karmen Pedaru e Joan Smalls, atual número 1 do mundo.

Em Paris e Nova York, a modelo mineira também subiu nas passarelas para Chanel, Jean Paul Gaultier, Balmain, Dries Van Noten, Anthony Vaccarello, Peter Som, Helmut Lang, DKNY e Oscar de la Renta, entre outros. Amanda Wellsh encontrou o Terra, em Paris, para contar como foi essa temporada de estreia e falar sobre sua carreira e rotina de beleza.

Terra - Como você começou a carreira de modelo?
Eu fiz um workshop em Patos de Minas, quando tinha 14 anos. Depois até comecei a trabalhar, viajei um pouco, mas minha mãe me achava muito jovem e por isso não investi muito na carreira. Terminei o segundo grau e fiz um curso de design de interiores enquanto modelava um pouco pelo Brasil. Então teve a gravidez e o nascimento do meu filho, que está com 12 meses. E só agora resolvi investir mesmo na carreira.

Terra - O que impulsionou você a seguir a carreira internacional depois de tantos anos?
Meu filho! É meu filho que me inspira e que me motiva, a cada dia. E eu amo estar na frente da câmera ou na passarela, é uma sensação maravilhosa. Decidi que é isso que eu quero e vou focar nisso. É uma carreira curta e eu quero aproveitar. Estou tentando conciliar tudo.

Terra - E como é estar longe do seu filho?
Está sendo muito, muito difícil ficar longe dele. Todo dia eu fico pelo menos meia hora só observando pelo Skype. Agora ele começou a andar, fico só observando ele andando pela casa.

Terra - Em uma profissão em que a maioria das meninas começa por volta dos 15, 16 anos, como é começar a investir na carreira aos 23?
A minha idade me ajuda muito, porque me trouxe um amadurecimento que é muito importante, principalmente no mundo da moda. É um mundo muito competitivo, você tem que ter a cabeça no lugar. Acho que a idade me favorece pelo fato de eu já estar mais madura e pronta para receber os nãos. Porque são muitos clientes e às vezes você não é o perfil que eles estão procurando para aquele desfile, então já tenho maturidade para entender e focar no próximo. É preciso saber lidar com as frustrações. Além disso, às vezes é difícil também para um estilista falar “eu quero que você seja sensual, poderosa na passarela” para uma menina de 16 anos, que ainda nem sabe quem é ela mesma.

Terra - Esta foi sua primeira temporada internacional e você já abriu e fechou o desfile da Gucci, como modelo exclusiva. Deu frio na barriga?
Muito frio na barriga, mas foi muito bom! Queria poder voltar àquele dia. Quando fui para Milão, já estava confirmada para ser exclusiva, mas não estava esperando abrir, ainda mais por estar ao lado de várias tops, como Anja Rubik e Joan Smalls. E então a Frida (Giannini, estilista da Gucci) falou “você vai abrir e fechar o desfile, você está ciente da sua responsabilidade?” Nossa, fiquei muito, muito feliz.

Terra - Como é sua relação com as outras modelos?
Torço muito por todas elas, porque a gente está no mesmo mundo, competindo, mas eu sei que é difícil para todo mundo, não só para mim. Todo mundo está ali lutando, dando seu melhor. Claro que algumas tops são inspirações para mim. Gosto muito da Karmen Pedaru, da Miranda Kerr... Gosto da Cara Delevingne também. Ela é uma pessoa que leva alegria aonde estiver, é espontânea e divertida.

Terra - E como você avalia essa sua primeira temporada internacional?
Estou super feliz de estar desfilando ao lado de um monte de tops. Graças a Deus, porque foquei muito. Acho que estou conseguindo tudo isso também com muita disciplina e com o apoio de uma equipe super bacana que está trabalhando comigo, o pessoal da agência Mega Partners no Brasil e meu agente em Nova York. Estou longe do meu filho, perdi o primeiro aniversário dele. Se não tivesse dado tão certo quanto está dando, eu ia entender, mas ia ficar um pouco chateada. Então estou muito feliz porque está dando tudo certo, está valendo a pena.

Brasileira foi destaque em desfile da Gucci
Brasileira foi destaque em desfile da Gucci
Foto: Getty Images
Terra - Como você cuida do corpo? Qual sua rotina de beleza?
Depois que tive meu filho eu comecei a cuidar mais, venho malhando bastante. Tenho um personal trainer em Belo Horizonte que é excelente. Sempre tive uma alimentação bastante saudável, não sou muito fã de doces. Mas agora, quando vou a um restaurante, opto por pratos como peixe grelhado e legumes. Também bebo muita água e durmo bastante. Uma boa noite de sono é fundamental. Além disso, hidrato bastante a pele e passo óleo em volta dos olhos. Para o cabelo, uso uma máscara hidratante duas vezes por semana para mantê-lo hidratado. É sempre bom cortar as pontas também, principalmente agora depois dos desfiles, porque o cabelo fica muito ressecado com tanto secador e produtos, a cada hora um penteado diferente.

Terra - Como você definiria seu estilo de vestir?
Eu sou geminiana, então a cada dia eu sou uma pessoa. Gosto de me sentir confortável, mas tudo depende muito do meu humor. Tem dias em que quero colocar um salto, outros em que quero colocar uma rasteirinha, outros em que prefiro tênis. Tem dias em que estou bem boyish, tem dias em que estou bem girlie... Eu sou geminiana.

Terra - E quais são seus planos para a carreira?
Em outubro, me mudo para Nova York. Em janeiro, meu noivo e meu filho vão também. Mas a carreira de modelo é muito imprevisível, porque não depende só de você, depende de toda uma equipe, e o mundo fashion é impresivível. Mas vou continuar com minha disciplina, com meu foco, e espero chegar a modelo número 1! (risos). No futuro, se não tiver dado certo, eu quero olhar para trás e dizer que tentei, que fiz o meu melhor. Mas eu quero poder falar “deu certo”. E eu quero ter um monte de filhos, então tenho que trabalhar muito!

<a data-cke-saved-href="http://moda.terra.com.br/infograficos/100-anos-de-moda/iframe.htm" href="http://moda.terra.com.br/infograficos/100-anos-de-moda/iframe.htm">veja o infográfico</a>
Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade