Fashion Rio Inverno 2010

Moda » Fashion Rio » Inverno » Fashion Rio Inverno 2010 » Fashion Rio Inverno 2010

 Modelo volta a desfilar depois de perder 20 quilos
08 de janeiro de 2010 23h55

Comentários
 
modelo doente, int Foto: Rosângela Espinossi/Terra

A modelo Jéssica Pauletto chegou a pesar 70kg por causa da doença
Foto: Rosângela Espinossi/Terra

Rosângela Espinossi
Direto do Rio de Janeiro
A modelo Jessica Pauletto, 19 anos, que começou a modelar aos 13 após ganhar um concurso de modelo, fez sua reestreia nas passarelas neste Fashion Rio após mais de dois anos parada e depois de ter engordado 20 quilos. O motivo foi a constatação, em 2006, de uma doença autoimune, chamada púrpura trombocitopênica ideopática, que diminui as plaquetas do organismo e, como consequência, deixava sua pele totalmente arroxeada.

Jessica, que hoje cursa faculdade de fotografia em São Paulo e pretende seguir carreira na área, contou com exclusividade ao Terra, nos bastidores do desfile de Victor Denzek, o último do primeiro dia, como soube da doença, o que fez para encarar o problema e como foi passar dos 50 kg aos 70 kg, por causa dos remédios à base de corticoide que teve de tomar. Ela voltou a pisar a passarela no desfile da Melk Z-Da e já tem confirmadas até agora pelo menos 15 apresentações nesta temporada carioca, que conta com 27 desfiles.

Terra - Como você descobriu que estava com púrpura?
Jessica Pauletto - Minha pele ficava totalmente arroxeada, como se eu tivesse tomado uma surra daquelas. Eu estava em Paris e a agência Marylin me pediu para fazer exames, porque não dava mais para maquiar a pele toda para os desfiles e as fotos. Fiz o exame, e como tinha 16 anos, ligaram para minha mãe e disseram que eu estava com leucemia. Imagina o choque, sou filha única. Fiz um outro exame mais completo e o resultado foi esse, de púrpura.

Terra - E quais foram as consequências?
JP - Precisei ficar em Paris mais um tempo, porque não podia viajar de avião: devido à pressão, as plaquetas já diminuem normalmente. E no meu caso isso era ainda mais perigoso. Minha mãe foi para lá e ficamos mais uns dois meses. Já de volta ao Brasil, descobri que a púrpura era desencadeada pelo meu baço. Então tirei o baço e continuei o tratamento com os corticóides. Esses remédios dão uma fome de doer. Eu chegava de uma churrascaria, comia uma hambúrguer em casa e, no meio da noite, ainda acordava para comer bolacha, leite, o que via pela frente. Juro, doía o estômago. Resultado: engordei 20 quilos, passei dos 50, 51 para 70kg.

Terra - E como você ficou em relação à carreira, ao fato de você estar gorda?
JP Nem queria sair de casa e joguei fora todas as fotos da época, mas sabia que tinha de me tratar. Como descobrimos que era do baço e, quem sem ele, o rim também filtra o sangue, quis completar todo o tratamento e ficar boa de novo, sem correr riscos.

Terra - Nesse período, o que você fez?
JP - Tinha 16, 17 anos. Comecei a dar aulas de inglês e fazer cursinho para faculdade. Passei em publicidade, mas queria mesmo fazer fotografia. Em 2008, tentei voltar a trabalhar como modelo. Fui para o Japão, mas ainda estava fora do peso e não deu certo. Voltei para o Brasil e fui para São Paulo. Fiz curso técnico de fotografia e agora estou cursando faculdade.

Terra - E quando resolveu voltar à carreira de modelo?
JP - Já nem pensava mais nisso, mas em outubro passei na agência, a Way, e eles disseram que eu estava ótima. Realmente já tinha voltado aos 52 kg e resolvi encarar as passarelas de novo. Estou muito feliz e segura de mim, sei que a doença não vai voltar. Tenho certeza.

Terra - E o que fez para voltar à forma?
JP - Tenho o metabolismo bom. Então foi só parar de tomar os corticoides, quando o médico me liberou, que comecei a voltar. É simples, parei de ter aquela fome monstruosa. Hoje como de tudo que tenho vontade e tomo sorvete todo dia, que adoro, e mantenho o peso.

Terra - E vai seguir a carreira de modelo ou de fotógrafa?
JP - Os dois. Quero voltar a modelar no Brasil e fora, mas com tempo. Sou nova ainda, sei que posso fazer isso. E também a fotografia. Não largo minha câmara Canon e estou fotografando os backstages. Tenho recebido o maior apoio de fotógrafos, como do Gui Paganini, que me orienta na frente e atrás das câmeras.

Especial para Terra